Início Salvador Carros abandonados na antiga sede dos Correios preocupa moradores

Carros abandonados na antiga sede dos Correios preocupa moradores

Carros abandonados na antiga sede dos Correios preocupa moradores 1
Por: Roberto Viana/BNews

Dezenas de carros estacionados na antiga sede dos Correios, na Avenida Paulo IV, na Pituba, em Salvador, têm preocupado moradores do bairro. Isso porque, de acordo com eles, os veículos permanecem parados, sem utilidade e acumulando água da chuva — o que pode criar um ambiente propício para a proliferação do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya.

Em fotos enviadas por leitores ao Bnews é possível ver cerca de 20 veículos no pátio do espaço que está sendo leiloado com lance mínimo de R$ 211,5 mi. A equipe de reportagem esteve no local no final da tarde deste sábado (7) e verificou que os veículos, entre eles dois caminhões de carga, ficam estacionados nos fundos da antiga sede.

“Alguns dos veículos foram levados pro espaço por guinchos em meados de janeiro. Outros, chegaram sendo conduzidos por funcionários. Todos enferrujados. Desde então estão parados, acumulando água”, contou um funcionário de um empreendimento próximo.

Carros abandonados na antiga sede dos Correios preocupa moradores 2

Em entrevistas recentes à imprensa, o superintendente estadual de operações dos Correios na Bahia afirmou que menos de 30% das atividades da empresa estão sendo feitas na antiga sede. O Bnews tentou contato com a assessoria de comunicação dos Correios, mas sem sucesso.

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos da Bahia (Sincotelba) informou que há pelos menos quatro meses funcionários deixaram o local depois de serem transferidos para outras 20 unidades espalhadas pela cidade. O prédio de 17 andares abrigava o setor administrativo da empresa e os centros de tratamento de cartas, encomendas e entregas.

“O prédio está à venda e a sede dos Correios foi deslocada para um outro lugar. Os funcionários foram para outras unidades e aquele prédio ficou absoleto, não tem mais sentido existir”, disse Josué Campos.