Início Bahia Caetano desponta como favorito para ser candidato do PT ao governo da...

Caetano desponta como favorito para ser candidato do PT ao governo da Bahia

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

O secretário de Relações Institucionais, Luiz Caetano, desponta para ser lançado como candidato ao governo da Bahia pelo PT, após o partido definir por uma candidatura própria. Na manhã desta segunda-feira (7), o senador Jaques Wagner apresentou o nome do titular da Serin, seguido pela prefeita de Lauro de Freitas, Moema Gramacho, e pelo secretário estadual de Educação, Jerônimo Rodrigues.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

Caetano é considerado o único que pode gerar uma convergência entre dois grupos “antagônicos” que passaram a disputar a ascendência na corrida pelo governo da Bahia em 2022. De um lado, está Wagner, que perdeu a força após desistir de ser candidato a retornar ao Palácio de Ondina, e do outro está o governador Rui Costa, que mesmo sem tanta influência sobre a militância reassume o timão na condução da própria sucessão.

Enquanto o senador e parte do petismo mais “raiz” apoiaria a condução de Moema para estar na cabeça de chapa, o governador insistiria em Jerônimo, como espécie de justificativa para a falta de preparação de um sucessor – o secretário de Educação é um dos aliados mais próximos de Rui dentro do PT. Com esse contexto, Caetano emerge como uma opção mais viável, para além das disputas de micropoderes internas. Nesta sexta, o próprio secretário voltou a figurar em destaque em um evento do governo da Bahia para a entrega de ambulâncias e equipamentos.

Qualquer decisão, todavia, passa pelos debates dentro do PT, que devem acontecer ao longo dos próximos dias. Após a desistência de Wagner em participar da eleição, os petistas protagonizaram uma série de embates públicos, parte deles pressionando o possível substituto, Otto Alencar (PSD), contra a parede. O resultado foi uma retomada do curso original de Otto candidato ao Senado e a necessidade do PT “criar” um nome para a disputa contra o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto (UB).

Com informações do Bahia Notícias