Início Destaque Bombeiro que trabalhou em resgate de Marília Mendonça era fã e iria...

Bombeiro que trabalhou em resgate de Marília Mendonça era fã e iria para show: ‘Trauma’

Grupo no telegram: t.me/seligacamacari | Site de vagas em Camaçari: ACESSE

O bombeiro militar John Vespermann, de 32 anos, trabalhava na última sexta-feira (5) com a grande expectativa de, após o seu expediente, assistir ao show de quem era fã: Marília Mendonça.

John começou a ouvir a cantora por influência da sua esposa, Michelly, e o casal já tinha presenciado um show da sertaneja em 2016. Quando recebeu o chamado para trabalhar no resgate às pessoas dentro de um avião de pequeno porte, nunca imaginou que a pessoa de quem era fã estaria entre as vítimas.

“De um segundo para o outro, passamos da espera do fim do expediente para ir curtir o show da Marília Mendonça, para resgate da mesma e dos demais que com ela estavam”, relatou através de seu perfil do Instagram.

ATENÇÃO: Nunca pague nenhum valor para participar de um processo seletivo. Não compre cursos, apostilas ou serviços que prometam participação em seleção ou contratação para uma vaga. E jamais informe dados bancários, de cartão ou envie documentos por e-mail ou através de sites que não conheça. Nosso site não se responsabiliza por qualquer tipo de pagamento efetuado.

“A princípio deslocando para a ocorrência sem saber que se tratava do avião da mesma, ao tomar ciência da informação veio aquele choque. Ocorrência que traz um grande trauma, visto que se trata de uma pessoa que faz parte da vida de milhões de pessoas, inclusive da minha. Teve uma passagem rápida, porém meteórica. Vai com Deus Marília, que Deus a tenha junto dele. Você fez história!”, completou.

Em entrevista ao O Globo, o bombeiro que trabalha há sete anos no Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CBMMG), falou sobre a expectativa do casal para ver o show em Caratinga, na sexta-feira. “Sabíamos que seria ainda melhor do que o último show. Fui trabalhar naquela sexta-feira empolgado para o fim do expediente, como a maioria do pessoa”, disse.

“Eu e a minha esposa Michelly esperávamos uma sexta-feira de alegria e comemorações junto com os amigos, o soldado Libardi e sua esposa Lorena e outros amigos que encontraríamos no local. Seria o primeiro evento pós-Covid a que iríamos, então estávamos muito empolgados. Porém, aquela sexta-feira se tornou um dia bem difícil e inesquecível. Lamentamos profundamente e de coração partido o fato de não termos curtido mais uma vez a nossa rainha da sofrência e que isso não será mais possível”, finalizou.

Por iBahia