Início Tecnologia Aprenda como se conectar à internet onde não há conexão

Aprenda como se conectar à internet onde não há conexão

A condição da experiência foi tentar uma conexão por menos de US$ 2.250 (aproximadamente R$ 6 mil)

Uma equipe de reportagem da BBC foi ao deserto no Marrocos para testar as conexões em áreas remotas. Segundo o grupo, esse tipo de tecnologia pode interessar consumidores que passam muito tempo em áreas sem cobertura, como esportistas e ONGs.

A condição da experiência foi tentar uma conexão por menos de US$ 2.250 (aproximadamente R$ 6 mil). Assim, no local, o grupo usou três equipamentos diferentes:  mini-antena de satélite (US$ 1.150), “capa” de satélite (US$ 1.050) e telefone via satélite “tradicional”.

Mini-antena de satélite
Segundo a experiência,o iSavi, da Inmarsat, não funciona bem em movimento, por isso deve ser colocado sobre uma supeifície firme. O dispositivo é conectado ao satélite da rede Inmarsat diretamente acima, permitindo o uso da internet através de um aplicativo no celular para enviar mensagens de texto e fazer chamadas usando qualquer smartphone.

Falar por telefone com este equipamento custa aproximadamente US$ 0,90 (R$ 2,38) por minuto. Conectar-se à internet é muito caro, cerca de US$ 4,60 (R$ 12) por megabyte.

“Capa” de satélite
Uma segunda opção para se conectar á internet é a SATcase, uma capa protetora que torna qualquer telefone inteligente em um “satélite”. O aparelho custa cerca de US$ 1.050 e ainda tem acesso à aplicativos, e-mails, contatos e outros apetrechos. Com a capa, é possível enviar foto e ainda alterna entre a conexão via satélite e de telefone, caso exista. O dispositivo também é útil em uma situação de emergência, devido a sua própria bateria e por possuir um botão vermelho de emergência, que ao ser pressionado, envia as coordenadas GPS a alguém que possa ajudar.

Telefone via satélite “tradicional”
O aparelho custa aproximadamente US$ 1 mil (R$ 2.263) e o custo por minuto é de US$ 7,79 (R$ 20,75) para chamadas para outros telefones que não existem.

Fonte: iBahia