Início Notícias Após pressão popular, governador e vice do RS desistem de aumento salarial

Após pressão popular, governador e vice do RS desistem de aumento salarial

Sartori afirmou que o recuo é uma opção de caráter pessoal

O governador do Rio Grande do Sul, José Ivo Sartori (PMDB), anunciou, na manhã desta segunda-feira (19) que ele e seu vice, José Paulo Cairoli (PSD), voltaram atrás e decidiram abrir mão do aumento de seus salários, que havia sido sancionado por Sartori na última sexta-feira, 16.

O anúncio do reajuste gerou forte reação entre a oposição, entidades e sindicatos, que apontaram uma incoerência no discurso do governador. Sartori vem pregando a necessidade de cortar gastos desde a campanha eleitoral e nos primeiros dias de mandato assinou um decreto que prevê a suspensão de concursos públicos, a limitação de despesas com diárias e viagens e a possibilidade de atrasar o pagamento de fornecedores e prestadores de serviços.

“Quero deixar bem claro que não tenho nunca receio de rever posições. Sou uma pessoa como qualquer outra e acho que quem mais erra é quem às vezes não tem humildade de eventualmente voltar atrás”, disse Sartori.

Ele também afirmou que o recuo é uma opção de caráter pessoal dele e do vice-governador, e que os aumentos salariais de secretários de Estado, deputados e membros do Judiciário – também sancionados na última sexta-feira – estão mantidos.

“Respeitamos as outras instituições, sem adentrar na questão (do reajuste) dos outros Poderes”, disse. Sartori explicou que decidiu sancionar os reajustes que haviam sido aprovados pela Assembleia Legislativa em dezembro, antes de ele assumir o governo, porque entendeu que era necessário preservar a autonomia dos outros Poderes. “Mas fiquei na dúvida”, justificou.

Ele reconheceu que houve reação negativa por parte da opinião pública, principalmente nas redes sociais, e disse que se aconselhou com pessoas próximas antes de voltar atrás. “Ouvi a voz dos gaúchos, que é a mais importante”, falou.

Segundo Sartori, ele e Cairoli já assinaram um documento abrindo mão dos vencimentos por tempo indeterminado, que será oficialmente publicado no Diário Oficial. Os aumentos variam de 26,34% a 64,22%. Com a decisão, o salário de Sartori, que passaria a R$ 25.322,25, continua de R$ 17.347,14.

O Estado deve economizar cerca de R$ 180 mil por ano mantendo o salário atual do governador e do vice, montante irrisório para combater a crise financeira do RS. Técnicos estimam um déficit de mais de R$ 5 bilhões este ano.

A decisão de Ivo Sartori tem um componente mais político do que financeiro e na prática visa demonstrar solidariedade do Executivo com outros segmentos da sociedade que sentirão os efeitos das medidas de austeridade.

“Acredito que sinalizamos que estamos dando a nossa participação (para combater) uma realidade (financeira) que não foi gerada por nós.” Após o anúncio Sartori se reuniu com o deputado federal Júlio Delgado (PSB-MG), que está em campanha pela presidência da Câmara de Deputados.

Ainda nesta tarde, o governador viaja a Brasília na companhia de secretários, onde haverá um encontro da delegação gaúcha com o vice-presidente da República, Michel Temer (PMDB-SP). Segundo Sartori, será a primeira oportunidade de expor ao Palácio do Planalto a atual situação do Rio Grande do Sul.