Início Destaque Advogado de assaltantes da Magazine Luiza vê “possibilidade boa” de clientes responderem...

Advogado de assaltantes da Magazine Luiza vê “possibilidade boa” de clientes responderem em liberdade


Por: Shizue Miyazono | BNews

Os homens presos em flagrante após tentar assaltar a loja Magazine Luiza de Lauro de Freitas, na Região metropolitana de Salvador, já foram encaminhados para a 23ª Delegacia Territorial (Lauro de Freitas) e devem ser ouvidos ainda nesta noite. Segundo o advogado do quarteto, Marcus Rodrigues, “existe uma boa possibilidade de responder ao processo em liberdade”. A audiência de custódia de Antônio Jorge Peluso de Oliveira, 40 anos; Adenilson Gomes da Silva, 23; Fábio Alves da Silva, 24; e Wesley Bispo Alves, 33, só deve ocorrer na segunda-feira (5).

“Aqui em Lauro de Freitas não tem regime de plantão para audiência de custódia. se fosse em Salvador, eles seriam remetidos para uma audiência de custódia já amanhã e em Lauro isso não acontece, só na segunda-feira. Mas, nada impede de a gente impetrar uma habeas corpus, até porque foge do que a lei diz que em 24 horas eles devem ser remetidos para audiência de custódia”, explicou o advogado.

Divulgação/SSP-BA

Segundo Marcus, o delegado está ouvindo as vítimas, policiais e só depois os suspeitos prestarão depoimento. O advogado contou que um dos quatro possui passagem pela polícia. Mas, como os outros três não são reincidentes, e a probabilidade de responder pelo crime em liberdade é maior.

O advogado contou que, apesar da decisão na audiência de custódia ser bem relativa, ele acredita que o juiz pode conceder uma segunda oportunidade para seus clientes, já que ninguém ficou ferido e não houve agressão durante a ação criminosa.

“Existe uma possibilidade boa, posso dizer que eles têm 50% [de chance] de responder ao processo em liberdade porque não agrediram ninguém, se entregaram, algumas vítimas que eu pude ver conversando umas com as outras falando que não teve nenhum tipo de ameaça física e psíquica. Apesar de ter acontecido, a princípio, um fato criminoso, mas não teve resquício de crueldade, nada que fosse pesado, que tivesse um valor forte contra eles”, concluiu Marcus.

Matérias relacionadas:
Exclusivo: refém fala de dentro da loja sobre assalto. “Já veio colocando a arma na minha cabeça”