Nova descoberta confirma evento descrito na Bíblia

Enquanto escavavam a Cidade de Davi, em Jerusalém, arqueólogos descobriram evidências de que uma passagem bíblica é historicamente precisa.

Pesquisadores do Parque Nacional Muros de Jerusalém encontraram muitos artefatos queimados que datam de 2.600 anos atrás, confirmando uma referência bíblica que descreve a queima de Jerusalém pelos babilônios. Acredita-se que Jerusalém tenha sido destruída em torno de 587 anos a.C.

As descobertas, incluindo cerâmica queimada, madeira, sementes de uva e ossos cobertos de cinzas, são provas de que os babilônios “queimaram todas as casas de Jerusalém”, conforme descrito no Livro de Jeremias.

Os arqueólogos da Autoridade de Antiguidades de Israel descobriram os artefatos sob camadas de rochas na parte oriental da Cidade de Davi. Entre eles, também havia dezenas de frascos usados ​​para armazenar grãos e fluidos. Muitos desses itens exibiram evidências que permitiram que os pesquisadores datassem os artefatos em 2.600 anos.

“Estas evidências possuem características da época do fim do Templo de Salomão”, o Dr. Joe Uziel, que liderou a escavação, explica tudo no vídeo acima. “[Eles] foram usados ​​pelo sistema administrativo que se desenvolveu no final da dinastia judaica”.

O fato de que os danos causados pelo fogo agora podem ser datados como há 2.600 anos atrás corrobora com as contas da Bíblia que os babilônios realmente queimaram a cidade. A primeira referência a este evento aparece no Livro de Jeremias, afirmando:

“E no quinto mês, no décimo dia do mês, que era o décimo nono ano do rei Nabucodonosor, rei de Babilónia, Nebuzaradã, capitão da guarda, que assistia na presença do rei de Babilónia, veio a Jerusalém. E queimou a Casa do Senhor, e a casa do rei, e também a todas as casas de Jerusalém, e incendiou todas as casas dos grandes.”

A escavação realmente mostra sinais de que grandes partes da cidade foram destruídas rapidamente por uma intensa incandescência. No entanto, também mostrou-se sinais de que outras áreas foram abandonadas após o incêndio inicial, em vez de serem destruídas por isso, sugerindo que a queima não foi tão difundida quanto a passagem bíblica implica.

“Parece que nem todos os edifícios foram destruídos em um único evento”, explica o Dr. Uziel. “Parece que alguns foram destruídos e outros foram abandonados”.

No entanto, em geral, as descobertas aumentam as evidências existentes, o que inclui a descoberta de possíveis seitas da Babilônia que datam da mesma época, além de que a queima de Jerusalém foi um evento histórico e também bíblico.

Seja o primeiro a comentar